Após 25 anos de relação com o fornecedor Totaler de logística Logifruit, a Mercadona afirma que conseguiu melhorias logísticas importantes graças ao seu compromisso com a optimização constante de recursos. Um dos exemplos que o pode comprovar é a conversão de caixas rígidas dobráveis que, de acordo com a empresa, tem trazido benefícios a toda a cadeia de abastecimento “pois no espaço ocupado anteriormente por uma caixa rígida passaram a ser transportadas três caixas dobráveis”. Esta aposta resultou, segundo o retalhista, numa redução de 96.710 percursos de camião, tendo diminuído o consumo de combustíveis e de emissão de CO2.

A Logifruit iniciou a sua relação com a Mercadona no ano de fundação, em 1996, e começou assim a dar suporte aos seus fornecedores de frutas e legumes. Desde então, segue as premissas da política da economia circular promovida pela União Europeia, “utilizando os recursos de forma eficiente e favorecendo a permanência dos materiais no ciclo produtivo o maior tempo possível”, afirma a Mercadona.

O design e os materiais utilizados ​​permitem que, quer as paletes, quer as caixas completem vários circuitos, desde o produtor primário até à loja. Cada caixa ou palete, após cada ciclo de utilização, regressa ao armazém e entra num processo automatizado de limpeza e desinfecção. Em poucos minutos estão prontas para serem utilizadas ​​novamente. Este sistema procura potenciar as matérias-primas e alcançar o desperdício zero.

Em Portugal, no bloco logístico na Póvoa de Varzim, a Mercadona está a construir uma nave para a limpeza das caixas de plástico reutilizáveis, como noticiámos anteriormente.

Os Fornecedores Totaler da Mercadona implementaram mais de 300 medidas para uma poupança total de 2.500 toneladas de embalagens. Em termos de custos, o modelo de reutilização elimina os investimentos feitos na fabricação de um maior número de embalagens, reduzindo custos na gestão, controlo e produção na cadeia de abastecimento.

O sistema funciona também graças à logística inversa e à chamada Estratégia do Oito, cujo objectivo é não transportar “ar”, ou seja, pretende-se que os camiões nunca viajem vazios. Assim, levam as caixas utilizadas ​​para o bloco, onde são verificadas e reparadas quando necessário, encaminhando peças substituídas para a reciclagem. Em poucos minutos, as caixas estão novamente prontas para voltarem ao fornecedor e depois às lojas. É um claro exemplo de economia circular, em que os materiais são mantidos no ciclo produtivo durante o maior tempo possível.

“Há muito tempo que apostamos num modelo de logística sustentável que contribua para reduzir o impacto ambiental da nossa actividade. Após todos estes anos de colaboração com a Logifruit na implementação destas caixas e paletes, seguindo os princípios da economia circular e da eficiência. Estamos cada vez mais convencidos da necessidade de continuar a cuidar do planeta e de promover iniciativas e modelos sustentáveis ​​como o da Logifruit, que também garante a segurança alimentar das embalagens, a ergonomia e a eficiência no transporte”, refere Margarita Muñoz, directora de Responsabilidade Social da Mercadona.

Share This

Partilhar este artigo