2018 foi um ano de sucesso para a startup portuguesa HUUB, que fechou uma ronda de financiamento de, pelo menos, 25 milhões de euros, representando um crescimento de 100% nas vendas.

Em declarações ao Dinheiro Vivo, Luís Roque, CEO da HUUB, afirma que “no ano passado conseguimos crescer acima dos 100%, mas foi também de crescimento de estrutura. Para 2019 temos objectivos ambiciosos. Queremos crescer 200%”.

A empresa de logística, que actua no sector da moda, já tem as metas definidas para este ano. Pretende abrir novas operações a nível europeu e abrir horizontes para o mercado americano, no final do período homólogo ou no arranque de 2020.

Com 95% das marcas com quem trabalham a ter origem na Europa, a internacionalização da empresa passa pela abertura de operações: “temos marcas em 18 países, ou seja, 95% das nossas marcas são internacionais e a nossa escalabilidade e competitividade vem da internacionalização mais operacional”, explica Luís Roque.

Para se mostrar competitiva, a empresa abriu uma operação na Holanda, próxima da fronteira com a Alemanha, que constitui um dos principais mercados. Luís Roque explica que “tínhamos a ideia de mover para o Reino Unido na altura, mas com a questão do Brexit ficamos um bocadinho à espera. Acabámos por mover para um segundo mercado mais próximo – Holanda”.

O foco da HUUB é fornecer novos serviços, como a entrega de encomendas em determinada hora, ou, em último caso, o cliente pode recolher o seu produto num sítio específico. Para isto resultar é importante estarem próximos do público-alvo.

A empresa, lançada em 2015 por Luís Roque, Tiago Paiva, Pedro Santos e Tiago Craveiro, pretende facilitar as operações de logística para retalhistas de moda, trabalhando com toda a gestão da cadeia de abastecimento. De forma a realizar um total acompanhamento das encomendas, utilizam a plataforma Spoke. A HUUB gere assim 100% do fluxo físico, a nível global, de todas as marcas com quem trabalham.

Share This

Partilhar este artigo