“A logística é absolutamente central para o cumprimento das metas climáticas em Portugal, e é, por isso, essencial instituir regras claras para o setor, para que seja mais eficaz e descarbonizado”, referiu João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Ação Climática, no encerramento do seminário “A Logística na Área Metropolitana de Lisboa – Contributos para Antecipar o Futuro”, promovido pela TML – Transportes Metropolitanos de Lisboa. Para o governante, o espaço metropolitano é mesmo a escala ideal para trabalhar todas as questões complexas da logística”.

Na sessão de abertura do seminário, a presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa, Carla Tavares, começou por enaltecer a realização do seminário “muito importante para a região de Lisboa, e também para o país”, acrescentando que “a Área Metropolitana de Lisboa não pode ficar indiferente às necessidades sentidas pelas nossas empresas, e deve ter um papel preponderante também nas áreas dos transportes de mercadorias, aproveitando a experiência adquirida no âmbito da gestão dos transportes rodoviários de passageiros”.

Na sua opinião, “a área metropolitana de Lisboa tem condições para se posicionar como referência nas cadeias logísticas nacionais e internacionais, podendo, dessa forma, contribuir para a competitividade da região e das suas empresas”.

Ainda na sessão de abertura, Faustino Gomes, presidente do conselho de Administração executivo da TML, declarou que “a nossa preocupação é olhar para as pessoas e perceber como é podemos ajudar a que a mobilidade seja melhor, porque sabemos que a logística é também uma peça fundamental nesta área”.

A importância da logística, a rede de mercados enquanto instrumento de política pública, a evolução da logística, o papel do sistema rodoferroviário, a importância da inovação e da coesão territorial, a organização da cadeia logística, e as políticas e financiamentos europeus para a logística urbana foram alguns dos temas abordados ao longo do seminário, que contou com  o patrocínio do Porto de Lisboa.

Na sessão de encerramento, o primeiro-secretário metropolitano, Carlos Humberto de Carvalho, reforçou a importância da organização do seminário para a Área Metropolitana de Lisboa, que “comprova a visão muito ampla da forma como vemos a mobilidade, e espelha o trabalho que estamos a desenvolver no sentido de transformar a mobilidade num direito”.

Carlos Humberto de Carvalho apontou para o futuro: “queremos ajudar  a construir um tempo novo, dando mais atenção às questões ambientais, à simplificação e redução tarifária, à intermodalidade, à desmaterialização da bilhética, à disseminação da informação, à articulação dos modos suaves com todo o sistema, à logística, à monitorização do trânsito, à construção de infraestruturas  relacionadas com o transporte em sítio próprio e ao alargamento da nossa intervenção em outros modos de transporte”.

No seminário participaram ainda Jorge dos Reis, presidente do grupo Sociedade Instaladora de Mercados Abastecedores e do Mercado Abastecedor da Região de Lisboa, Susana Castelo, CEO da empresa Consultores Transportes, Inovação e Sistemas, Carlos Fernandes, vice-presidente do conselho de administração executivo da Infraestruturas de Portugal, Nuno Bento, coordenador da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional da Região de Lisboa e Vale do Tejo, João Tiago Carapau, diretor-geral da Sociedade Instaladora de Mercados Abastecedores, Carlos Moura, vice-presidente da Associação da Hotelaria, Restauração, e Similares de Portugal, Manuela Patrício, diretora da Administração do Porto de Lisboa, Raul Magalhães, presidente da Associação Portuguesa de Logística, Sandra Ferreira, diretora adjunta do Aeroporto Humberto Delgado (ANA), Artur Andrade, diretor do GS1 Portugal, Fernando Liesa, secretário-geral da Alliance for Logistics Innovation through Collaboration in Europe, e Sofia Bento, da direção do Instituto de Mobilidade e Transportes.

Share This

Partilhar este artigo