A DB Schenker, a Dachser, a Duisport e a Rhenus lançaram a Open Logistics Foundation, uma organização sem fins lucrativos que visa criar uma comunidade europeia de código aberto para promover a digitalização da logística e da gestão da cadeia de abastecimento, assim como normalizar processos da indústria através de normas europeias. Os fundadores assumem o papel de pioneiros do software de código aberto para promover o uso da tecnologia ao longo de toda a cadeia de abastecimento. 

“Juntos queremos impulsionar a digitalização da logística. Em suma, o código aberto constitui um importante factor de sucesso para todo o sector logístico e, ao mesmo tempo, um motor para a harmonização de processos nas cadeias de abastecimento digitais. Vemos a Open Logistics Foundation como o primeiro passo para uma economia de escala baseada em normas e valores legítimos na Europa. Ao mesmo tempo, é um começo e um apelo à indústria logística para reflectir sobre a importância de unificar a tecnologia e os processos da cadeia de abastecimento, e para participar activamente na comunidade de código aberto”, disseram os membros fundadores numa declaração conjunta.

Neste momento, trata-se de ancorar o código aberto no sector da logística e de o implementar em estruturas internas para trabalhar com o hardware e software correspondentes.

A fundação é dirigida a todas as empresas relacionadas com logística e aos seus correspondentes responsáveis pelo desenvolvimento informático. A associação de financiamento, Open Logistics e.V., também fundada em Berlim, destina-se a novos membros de todas as áreas da logística, desde a indústria, retalho e serviços, até aos agentes de expedição e organizações políticas. Numerosas empresas já anunciaram a sua participação na associação de financiamento, incluindo a AEB, BLG Logistics Group, GS1 Alemanha, Lobster Logistics Cloud e Setlog Holding sediada em Bochum, mas também associações como a Fraunhofer- Gesellschaft zur Förderung der angewandten Forschung.

O núcleo do trabalho da organização é o funcionamento do chamado Open Logistics Repository, uma plataforma técnica em que interfaces de software e hardware fazem referência a implementações e componentes disponíveis como o código aberto sob uma licença gratuita (licença permissiva). Todas as ferramentas e componentes serão livres e sem restrições para aplicações comerciais, a fim de promover uma ampla aceitação no sector logístico.

As empresas poderão utilizá-los, por exemplo, para alargar as suas plataformas ou para criar mais rapidamente novos produtos e modelos de negócio. A abordagem de fonte aberta assegura um padrão livre para a digitalização dos processos logísticos, ao mesmo tempo que oferece um grau significativo de flexibilidade para a personalização individual.

As empresas que utilizam código aberto tendem a ser mais produtivas, reduzem os custos e evitam estar ligadas a software privado. Outra vantagem é que as soluções de software não são isoladas, mas todos os componentes são compatíveis, o que facilita a criação de redes digitais para lá dos limites da empresa.

As principais tarefas da fundação incluem também a identificação de projectos de colaboração para incorporação no consórcio, a monitorização da qualidade do software de código aberto e a garantia de neutralidade no seu desenvolvimento. Além disso, oferece formação às empresas sobre como trabalhar com a plataforma, que será lançada no próximo ano.

Jochen Thewes, director-geral da DB Schenker e presidente do conselho de administração da Open Logistics Foundation, assegurou que, “se quisermos digitalizar com sucesso a logística, temos de ir além das estruturas da sede. O hardware e o software de código aberto podem e irão contribuir significativamente para isso. As vantagens são realmente simples: todos utilizam os mesmos documentos de carga e planeiam as mesmas rotas ou oferecem monitorização e localização. Neste sentido, queremos desenvolver conjuntamente padrões informáticos em logística para além dos limites da empresa e tornar os resultados acessíveis a todos. Este foco no código aberto destina-se a substituir investimentos individuais na digitalização das mercadorias. Todas as empresas serão beneficiadas”.

Por sua vez, Stephan Peters, membro do conselho de administração da Rhenus SE & Co. KG e vice-presidente da Open Logistics Foundation, acrescentou que, “a digitalização não é um fim em si, mas vai além das fronteiras para atingir objectivos mais elevados como a transparência, eficiência e sustentabilidade. Mas, acima de tudo, deve ser economicamente viável e bem sucedida no mercado. O 100% digital não é um sonho, mas o nosso futuro comum em cada vez mais casos de utilização. O conceito de código aberto garante um padrão livre para a digitalização dos processos logísticos, ao mesmo tempo que oferece um elevado grau de flexibilidade para adaptações individuais. Ao fundar a Open Logistics Foundation, lançámos as bases para a era do código aberto na logística”.

Share This

Partilhar este artigo