A falta de motoristas de pesados de mercadorias está a criar o cenário de um “Inverno muito difícil” no Reino Unido, segundo o ministro das Pequenas e Médias Empresas, Paul Scully. O Governo tem apelado à calma, mas já há bombas de gasolina sem combustível, e prateleiras vazias em alguns supermercados, avança o Jornal de Notícias.

A petrolífera BP teve de encerrar alguns postos devido à falta de combustível, bem como a Exxon Mobile. Num levantamento feito pela CNBC, a Tesco admitiu problemas em dois postos de combustível, enquanto a Sainsburry’s afirma não ter tido qualquer problema.

De acordo com a Associação de Revendedores de Combustível, há 8380 postos de abastecimento no Reino Unido, dos quais cerca de 84 estão fechados, 50 dos mesmos pertencem à BP. A petrolífera britânica afirma que “as falhas foram causadas por alguns atrasos na cadeia de distribuição que sofre os impactos de um problema mais vasto, de falta de motoristas”, acrescentando que “estamos a trabalhar com os nossos transportadores para minimizar eventuais futuras quebras de abastecimento. Estamos a dar prioridade às áreas de serviço nas auto-estradas, às estradas mais frequentadas por camionistas e aos locais onde a procura é geralmente mais elevada”.

Além do constrangimento relativo ao combustível, a escassez de produtos nas prateleiras dos supermercados constituirá um problema, também derivado da falta de motoristas. “Temos a noção de que isto vai ser um desafio e é por isso que não podemos subestimar a situação em que estamos”, afirma Paul Scully. Mais tarde, em declarações à Radio Times, disse não ver necessidade de as pessoas entrarem em “pânico e desatarem a comprar”.

Segundo um porta-voz da Associação de Transportes Rodoviários, Rod McKenzie, “estamos com falta de 100 mil motoristas, de momento, incluindo 20 mil condutores europeus que deixaram o país por causa do Brexit”.

O governo britânico admite recorrer a motoristas das Forças Armadas para fazer face à falta de condutores de veículos pesados.

Share This

Partilhar este artigo