As empresas britânicas vão poder efectuar descargas de águas residuais não tratadas, com autorização da Agência Ambiental Britânica, devido à escassez de produtos químicos no Reino Unido, causada por problemas de abastecimento derivados do Brexit e agravados pela COVID-19, segundo o Jornal Público.

A Agência Ambiental Britânica informa as empresas que pode não ser possível cumprir as condições da sua autorização para a realização de descargas devido ao “novo relacionamento do Reino Unido com a União Europeia (UE)”, o coronavírus e outras “falhas inevitáveis da cadeia de abastecimento”. Nesses casos, as empresas poderão “despejar efluentes sem cumprir as condições de licença”, desde que seja escrito um pedido de autorização. São concedidas as autorizações se as empresas demonstrarem que tomaram “todas as medidas razoáveis” para obter os produtos químicos necessários, mas sem sucesso.

Uma fonte do Ministério do Ambiente referiu ao jornal The Guardian que, em causa, está a potencial falta de sulfato ferroso, uma solução utilizada para eliminar o crescimento de algas, e a medida actual é apenas uma precaução para o caso de a situação acontecer.

A escassez de químicos para tratar as águas, que se tem vindo a sentir nas últimas semanas, deriva sobretudo da falta de motoristas de veículos pesados, muitos dos quais europeus, que terão deixado o Reino Unido durante a pandemia. A nova relação com a UE e o sistema de imigração pós-Brexit, em vigor desde 1 de Janeiro, implica que o recrutamento de profissionais europeus seja mais rigoroso, e não há mão-de-obra qualificada para satisfazer a procura.

Share This

Partilhar este artigo