O crescimento das vendas e do comércio electrónico levaram a Kering, o grupo francês que detém marcas como Gucci, Saint Laurent e Balenciaga, a repensar a sua logística, tendo anunciado a nova plataforma logística em Trecate, Itália, que reorienta todos os fluxos logísticos e operacionais europeus neste local, tendo como objectivo reforçar as capacidades logísticas do grupo.

Este novo centro abrange 162.000 metros quadrados, o equivalente a 20 campos de rugby, e permite à empresa gerir e racionalizar todo o processo logístico enquanto controla a cadeia de abastecimento de ponta-a-ponta. O primeiro edifício foi inaugurado em Março de 2020, o segundo, de 100.000 metros quadrados deverá estar activo a partir de Setembro e toda a infra-estrutura deverá estar operacional em 2022.

O vice-director executivo, Jean-François Palus, afirma que “os nossos centros de armazenamento anteriores estavam fragmentados. A centralização de tudo num só local permitir-nos-á reduzir os custos e os prazos de entrega em todos os canais de venda. Com este projecto tudo muda. Iremos agora lidar directamente com o cliente final. O ritmo será completamente diferente e muito mais rápido também. Alterará os fluxos, os meios de transporte, os sistemas informáticos. As mudanças serão a todos os níveis, representando uma parte bastante grande do nosso negócio”.

Além desta plataforma que centralizará todas as operações europeias em Itália, a Kering também reorganizou a sua logística global, como explica Sorin Ciocan, director da cadeia de abastecimento e logística, “transferimos o nosso armazém central americano para um novo local em Wayne, Nova Jersey (EUA), que está operacional há um ano. Há alguns dias inaugurámos um centro logístico no Dubai para servir o Médio-Oriente e vamos fazer o mesmo para a Ásia com um centro provavelmente localizado em Singapura”.

Na Europa, o grupo chegou a gerir a sua logística a partir da Suíça durante 20 anos, através de cerca de 20 armazéns por onde passaram quase todos os stocks e entregas das suas marcas, mas este modelo atingiu a saturação. Em 2019 o grupo lançou o seu projecto italiano que já tem hoje “uma capacidade de expedição e armazenamento duas vezes superior à da estrutura anteriormente utilizada na Suíça”, afirma a empresa.

De acordo com a Kering, uma das principais vantagens é a flexibilidade do site que combina tecnologia “de ponta” e sistemas de automação. O centro irá “satisfazer as exigências internacionais das “maisons” a partir dos armazéns regionais, lojas operadas directamente, sites de comércio electrónico e a rede grossista. Melhorará consideravelmente a capacidade de entrega para 80 países (até 80 milhões de peças por ano) e a capacidade de armazenamento (até 20 milhões de peças), reduzindo simultaneamente os prazos de entrega em 50% graças a entregas mais rápidas”.

A obra foi também concebida respeitando a sustentabilidade ambiental, tendo instalado um parque de painéis fotovoltaicos na cobertura, que irá responder a todas as necessidades energéticas do local.

Share This

Partilhar este artigo