Filipe Louraço Costa é o actual head of global logistics unit da ONG INTERSOS, mas o seu caminho iniciou-se na logística na Sonae, durante cinco anos, onde liderou algumas das operações logísticas do grupo, nomeadamente da Wells, Maxmat, Meu Super e sector grossista.

“A minha paixão pela logística fez-me abraçar o desafio da Logística Humanitária, em 2018, na Serra Leoa com a ONG Emergency, onde geri a logística e operações do único hospital cirúrgico da capital Freetown”, revela o profissional.

De seguida colaborou com a ONG francesa ACTED na missão na Líbia e Tunísia com o objectivo de responder à crise migratória no mediterrâneo gerindo a logística da organização nos dois países.

Actualmente, através do novo desafio que aceitou por parte da INTERSOS, é o responsável pela logística e cadeia de abastecimento de 19 missões na Europa, África, Ásia, Médio Oriente e América do Sul.

Esta ONG reponde diariamente a milhares de pessoas em crises humanitárias, em cenários de guerra, em sectores como a saúde, alimentação e nutrição, protecção de civis, educação, saneamento, migração e refugiados. Actualmente está ainda a realizar campanhas de vacinação massiva contra a COVID-19.

O responsável explica que no sector humanitário não há dias iguais, uma vez que cada país se encontra em constante mutação e é necessário adaptar as operações logísticas de forma a responder imediatamente às necessidades básicas das populações. “Não existe horário de trabalho nem separação entre vida pessoal e profissional – o trabalho humanitário exige disponibilidade 24/7 – mas isso tudo torna-se irrelevante quando pensamos o que poderia acontecer às pessoas a que assistimos se nós não estivéssemos presentes”, confessa.

Filipe Louraço Costa refere que o que o levou a abraçar o desafio de fazer logística humanitária “foi o princípio humanitário fundamental, ‘o direito de receber ajuda humanitária e de oferecê-la’ e poder utilizar o privilégio de ter vivido num país desenvolvido e estável como Portugal, e todo o desenvolvimento profissional a que tive a sorte de estar exposto por ali ter nascido, na resposta de salvar vidas e aliviar o sofrimento”.

Adicionalmente assume ainda o cargo de professor convidado da unidade curricular de Cadeia de Abastecimento no mestrado de Logística Humanitária da Universidade Politécnica de la Marche, em Itália.

Share This

Partilhar este artigo