2020 foi um ano repleto de mudanças que levou as empresas a repensar o seu modo de atuação e de gestão logística. No geral, houve uma rápida adaptação das redes de distribuição física de mercadorias e uma vontade das principais cadeias para operarem sem erros. Por outro lado, verificaram-se novas tendências e desafios gerados pela pandemia, e estes últimos podem ser utilizados como impulsionadores de um potencial crescimento por parte das empresas.

No setor logístico, em particular, existe espaço para que as empresas aproveitem os novos hábitos que esta nova realidade trouxe para a adaptação e evolução dos mercados. E nesta tipologia de crise, rapidez é a chave da sobrevivência.

Hoje, num contexto de distanciamento social, a grande tendência relacionada com as compras online surge acompanhada de uma maior necessidade das empresas terem um sistema de informação/gestão inovador e de uma boa gestão logística para que exista um abastecimento atempado das lojas e se possa oferecer a melhor experiência de compra possível aos consumidores. 

O e-commerce já se constitui como uma prática com popularidade em Portugal, no entanto, 2020 elevou-a. Com a necessidade de ficar em casa, este formato de comércio cresceu. No setor logístico, este facto representa o aumento dos movimentos dos produtos. Um maior número de encomendas gera uma necessidade de adaptação da logística e das suas cadeias de abastecimento. Atualmente, o desafio reside numa adaptação mais ágil dos processos, para que as entregas sejam realizadas do modo eficiente, rápido e com um menor custo. Para além disto, a situação pandémica identificou novos negócios e, com isso, aumentou a necessidade da existência de novas unidades de armazenamento.

A tendência crescente do e-commerce traz, obviamente, novos desafios ao setor logístico. Destaca-se, ainda assim, a adaptação rápida a este canal de vendas, ao nível dos ERP, WMS, e-Procurement e adaptações físicas relacionadas com o desempenho, como a mão-de-obra e a estrutura física. 

No contexto em que hoje vivemos, a sobrevivência empresarial parece estar a ser proporcional à adaptação, flexibilidade e rapidez dos processos no que ao e-commerce diz respeito. Numa perspetiva alargada, em 2021, o setor da logística será um dos que poderá tirar maior proveito da evolução do mercado e dos novos hábitos de consumo. Existem oportunidades, mas é fundamental que as empresas redefinam as suas prioridades, ou seja, que no fundo se reinventem. 

Carlos MachadoDiretor comercial e de operações | Remarkable Field

Share This

Partilhar este artigo