O grupo Polopiqué, com sede em Vilarinho, factura mais de 110 milhões de euros e destaca-se pela sua estrutura verticalizada, com produção desde a fibra à confecção da peça acabada, dominando todas as fases do processo produtivo. Para organizar todas as amostras de acessórios de confecção, o grupo apostou num armazém automático, instalado pela VRC Warehouse Technologies, com 32 níveis de armazenamento.

Este armazém aumentou a capacidade de arrumação em mais de 80%, ocupando apenas uma área de solo de menos de seis metros quadrados.

Os vários acessórios, como botões, etiquetas ou fechos, estão agora acondicionados num só local sob a gestão do software flux.wms que permite à empresa ter um controlo dos artigos em tempo real, bem como as localizações, movimentos e stocks, bem como a administração de acessos dos diferentes utilizadores.

Este investimento terá como resultado uma optimização do espaço, maior organização e uma redução dos tempos de acesso aos materiais, traduzindo-se num aumento de produtividade com um fluxo de trabalho mais rápido e ágil.

Segundo a VRC Warehouse Technologies, outras empresas têxteis de referência, como Petratex, Crialme e Vermis, têm também já a operar armazéns automáticos idênticos.

Share This

Partilhar este artigo