A ID Logistics, que conta com uma larga experiência na habitual campanha de vacinação, ficará responsável por receber, armazenar, preparar e distribuir 2,6 milhões de vacinas contra a gripe sazonal, mais 65% de unidades do que em 2019.

O prestador de serviços logísticos será assim responsável pela distribuição de 2,6 milhões de unidades de vacinas em Portugal, durante a campanha de vacinação contra a gripe sazonal, promovida pela Direcção-Geral da Saúde (DGS). É a  partir da sua plataforma da Azambuja, o operador logístico irá gerir todo o processo, desde a recepção ao armazenamento, preparação, entrega, além de assegurar o processo de serialização, que visa evitar que medicamentos falsificados entrem na cadeia de abastecimento.

A campanha de vacinação contra a gripe, que terá início em Setembro, acontece num ano de convulsão na saúde devido à pandemia causada pelo SARs-CoV-2, pelo que a distribuição de 2,6 milhões de vacinas é de vital importância para evitar o colapso dos hospitais devido à existência da gripe sazonal e do coronavírus.

A gestão logística de tão grande quantidade de vacinas em tão curto intervalo de tempo permite verificar se a logística portuguesa está preparada para fazer face à potencial comercialização massiva de vacinas contra a COVID-19, que exigirá uma distribuição muito rápida.

Algumas das ferramentas que tornarão esta tarefa possível são a capacidade do operador em garantir uma temperatura entre 2º a 8º durante todo o processo de armazenamento e distribuição das vacinas, bem como a sua rastreabilidade; a incorporação de tecnologia, mais especificamente a automação do processo de logística e serialização através de mecanismos de reconhecimento e leitura unitária massiva; bem como a estreita colaboração entre parceiros e clientes para atender a prazos tão apertados, como salienta a empresa num comunicado.

Hugo Oliveira, Country Manager, afirma que “a complexa operação é um grande desafio que exige uma coordenação logística perfeita. Na ID Logistics sentimos muito orgulho de poder ajudar os nossos profissionais de saúde através da gestão da logística necessária para agilizar o seu trabalho num momento tão complicado como aquele que vivemos. Além disso, é uma boa oportunidade para mostrar que os operadores logísticos portugueses estão preparados para distribuir rapidamente grandes quantidades de vacinas contra o coronavírus, assim que estiverem disponíveis.”

Share This

Partilhar este artigo