Durante décadas, a jornada de trabalho das 9 às 6 tem sido a norma e os contratos são definidos pelo número de horas que trabalhamos. No entanto, a Adecco diz que hoje, com a transformação das nossas economias, as empresas estarão sob crescente pressão para acompanhar os tempos de mudança. Precisarão abraçar a flexibilidade, dar mais autonomia aos funcionários e reestruturar os contratos de trabalho para reflectir as expectativas das pessoas. A boa notícia é que isso não teria de ser feito à custa da sua produtividade, muito pelo contrário.

Desde a Revolução Industrial, os contratos de trabalho têm sido baseados principalmente numa equação directa: quanto mais horas dedicamos, mais trabalho fazemos e mais somos pagos. Mas, embora essa relação entre a duração dos nossos dias úteis de trabalho, os nossos salários e o produto dos mesmos, fizesse sentido durante os tempos em que a maioria das pessoas trabalhava em fábricas, a chegada da economia do conhecimento e da actuação sustentada pela revolução tecnológica, levantou questões sobre a definição de produtividade e como os funcionários deveriam ser remunerados.

Apesar das circunstâncias difíceis de trabalhar remotamente, esta pandemia levou a um aumento na produtividade das pessoas. De acordo com a pesquisa global, que englobou 8.000 funcionários, gestores e CEO’s, houve uma melhoria líquida de 31% durante o COVID-19. Isso foi sustentado por vários outros factores, nomeadamente:

  • As pessoas ganharam mais autonomia. 76% dos entrevistados disseram ter controlo parcial ou total sobre o seu horário de trabalho, o que representa um aumento de 21% em relação aos níveis pré-pandêmicos.
  • Nos oito países pesquisados, incluindo EUA, Japão, Alemanha e Itália, a procura por mais flexibilidade no trabalho aumentou. Seja para o equilíbrio entre vida profissional e bem-estar, os trabalhadores gostariam de manter a flexibilidade durante o horário de trabalho e decidir sobre como e onde podem trabalhar.
  • Além disso, 67% dos pais que trabalhavam apreciariam se o empregador se flexibilizasse em relação às necessidades de assistência à infância.

De acordo com a Adecco, para manter maior flexibilidade e produtividade, precisamos alterar os contratos dos funcionários. Portanto, não é surpresa que a correlação positiva entre maior flexibilidade e maior produtividade seja reflectida na maneira como as pessoas desejam reestruturar os seus vínculos com as empresas.

A pesquisa global da Adecco, Resetting Normal: Defining the New Era of Work, mostra que mais de dois terços dos entrevistados sentem que os contratos de trabalho devem concentrar-se mais em atender às necessidades de negócios do que nas horas trabalhadas. Isso sugere que os trabalhadores querem ser medidos mais pelos seus resultados e realizações do que pela sua presença no local trabalho.

Share This

Partilhar este artigo