No passado dia 6 de Março, na Nova SBE, ocorreu a primeira edição das 12 Horas de Procurement, um evento formativo com particularidades de team building promovido pela Supply Chain Magazine em parceria com a SFORI para a área das compras e procurement. A vitória foi da Sumol+Compal, tendo a Credibom ficado em segundo lugar e em terceiro uma equipa cooperativa composta por um elemento da Rovensa e outro da Whitestar.

Ao longo de 12 horas, os profissionais foram desafiados a superar vários desafios com que se deparam no seu quotidiano, uns práticos e outros teóricos, mas procurando sempre ter a vertente didáctica alinhada com a lúdica e promover o espírito de equipa – mesmo em equipas de empresas diferentes.

A primeira edição ficou marcada pela vitória da Sumol+Compal, com 33.800 pontos. A equipa de três elementos veio ao desafio com a expectativa de “poder ganhar algum conhecimento prático que não tenhamos ainda, ou seja, ganhar conhecimento sobre as várias vertentes do procurement”, revela a equipa.

Questionados no início do evento, a equipa da Sumol+Compal apontou que, no seu entender, a palavra que melhor descreveria o evento seria “incógnita”, por ser algo novo e num modelo a que não estavam habituados.

“A nossa equipa já tem alguma experiência prática nesta área, mas este foi um evento que nos despertou interesse por ser a primeira vez e por haver algum desconhecimento sobre o que é que acontecia, bem como por ter uma vertente prática muito interessante”.

Ao longo do dia mantiveram-se calmos e focados, tendo considerado desafiante uma prova que pedia uma síntese de 300 palavras sobre o tema da sustentabilidade, na qual se encontravam inclusive a trabalhar.

No final do evento, passadas as provas, reconsideraram a opção “incógnita”, e apontaram a palavra “desafiante” como a que melhor definia as 12 Horas que tinham acabado de viver.

Perante o resultado, a Sumol+Compal comentou que “fizemos por isso, mas não estávamos à espera”, tendo ainda acrescentado que “o evento foi gratificante, valeu a pena”.

“Foram 12 horas intensas, as equipas devem inscrever-se e virem divertir-se. Aprende-se, pois temos aqui concentrado em 12 horas muitas das skills que o negociador e o procurement têm de ter”.

Por parte da segunda classificada, a Credibom começou o dia por apontar que este seria um “desafio”, e que aquele seria um momento de “aprendizagem, para reforçar alguns conceitos que já temos, mas que se calhar no dia-a-dia ficam um pouco perdidos, e também pôr à prova o espírito em equipa”.

Durante o dia houve ainda dois momentos dedicados à negociação, que foi precisamente o que a equipa considerou “mais desafiante”, mantendo o espírito inicial da palavra com que descreveram o evento, e que mesmo no final do dia mantiveram.

Com o troféu de segundos classificados na mão, a equipa mostrou-se surpresa pela classificação: “não estávamos nada à espera, até estávamos a pensar que as coisas não estavam a correr assim tão bem, tanto ao nível do tempo como das próprias provas, mas surpreendeu-nos, porque pelos vistos estávamos a conseguir”.

“O conceito é muito giro, acabamos por perceber e sintetizar muitos conceitos, por aplicar muitas coisas, de sentirmos a pressão que sentimos no dia-a-dia e que pensávamos que não iríamos sentir, e foi muito interessante e gratificante poder conhecer e fazer o networking que conseguimos criar aqui”.

Em terceiro lugar encontrou-se uma equipa composta por dois elementos, cada uma de uma empresa: Rovensa e Whitestar. Os seus elementos não esperavam este resultado, até porque não estavam habituadas a trabalhar em equipa, mas consideram que isso foi uma vantagem.

Vindo com a expectativa de saírem “mais enriquecidas, com um dia cheio e diferente, mas não deixando de estar a trabalhar na nossa actividade e na nossa área, que acho que isso é muito importante, por serem casos muito práticos, poder ouvir o feedback e outras formas de olhar para os mesmos problemas, sair um pouco mais imaginativa e divertirmo-nos bastante”, começaram por apontar que, sem saber o que as esperava, esta participação seria uma “loucura”, mas que se iriam manter focadas e a trabalhar em equipa.

O resultado ficou à vista e durante o dia consideraram que o evento estava a ser “muito interessante, desafiante, e embora o nível de exigência não esteja a ser muito grande, o problema aqui é o tempo”.

Com o terceiro lugar conquistado, as profissionais consideraram que a participação conjunta foi uma mais-valia para atingir esta classificação. “Não viemos para ganhar, viemos pela participação e pelo lado lúdico”, revela a equipa, mas que a “interdisciplinaridade resultou muito bem, num terceiro lugar que muito nos orgulha, e vamos continuar”.

“A nossa recomendação é que participem, há coisas que temos de fazer pelo menos uma vez na vida, e participar nestes eventos só nos enriquece, porque aprendemos sempre, seja através do networking ou das boas práticas das outras empresas”, defendem as profissionais, e acrescentam que “se uma equipa de três elementos incluir um membro de cada empresa o enriquecimento é maior”.

“Nós éramos uma de cada empresa, acho que foi isso que resultou bem. As outras equipas que ganharam eram da mesma empresa, mas acho que a multidisciplinaridade resulta melhor e o profissional de procurement sai daqui mais enriquecido porque viu outras formas de trabalhar, de fazer negociações, estratégias, etc., e isso é tão importante”.

No final, as profissionais consideraram que a palavra que melhor descreveu o evento foi precisamente “colaboração”, uma palavra interessante para o método inter-empresas com que abraçaram o desafio.

Filipe Barros em representação da Supply Chain Magazine comenta que “estamos todos de parabéns pela primeira edição das 12 Horas de Procurement, tanto a organização como os parceiros Quay e Nova SBE, pela coragem em organizar um evento desta natureza. Sentimos que durante 12 horas conseguimos desafiar os profissionais de Compras e Procurement a saírem das suas zonas de conforto, com desafios com muita dinâmica, muito team building e alguma pressão à mistura”.

“Foi uma experiência enriquecedora, e é sensacional ver a Supply Chain Magazine a inovar e a agregar valor aos profissionais de Supply Chain. É claramente um evento para continuar a organizar e vamos trabalhar já brevemente para começar a planear já uma 2.ª edição do evento”.

Por parte da SFORI, Pedro Brito, coordenador do evento, comenta que “sentimos as equipas muito motivadas e empenhadas no desenvolvimento das provas, sendo que, no culminar do dia, o sentimento era de missão cumprida e de crescimento”.

Também procura ver o lado das próprias equipas, e refere que, tal como fora mencionado pelos participantes, “o evento foi um êxito”, acrescentando que “foram inúmeros os aspectos salientados pelas equipas, desde o networking, a organização ou o tipo de provas”.

“Outra questão apontada como muito positiva foi a variedades de sectores económicos a participarem e que contribuíram para a riqueza da experiência”.

Além dos primeiros lugares, foram ainda entregues outros prémios para destacar equipas que mereceram noutras áreas:
Prémio Simpatia: Rovensa
Prémio Cooperação: ISCTE
Prémio Perseverança: ISCTE
Prémio Explorers: Sumol+Compal
Prémio Agreement Builders: Sumol+Compal
Prémio Supply Chain Magazine: Sumol+Compal
Prémio Nova SBE: SPMS
Prémio Quay: Credibom

Veja mais fotos do evento [AQUI].

Share This

Partilhar este artigo