Querido Procurement,

O Dia de São Valentim é para os apaixonados. E por que se pode celebrar o amor por quem quisermos, seja pela cara-metade, pela família ou até pela própria pessoa, hoje, os enamorados pela profissão decidiram fazer-te uma dedicatória.

Procurámos saber junto de alguns profissionais como foi o primeiro encontro, o que mais os apaixona nesta relação e como se mantém acesa a chama pela profissão. As respostas foram dignas de ‘clichés’, como é suposto e como requer a celebração.

Patrícia Roxo, Procurement Director na Rovensa, iniciou a sua relação com a área das compras há 20 anos quando foi seleccionada para trabalhar num departamento de compras, com o objectivo de dar suporte administrativo no sector de planeamento de obras numa empresa de construção civil onde, segundo a própria, “comprava de tudo um pouco”. E foi aqui que se deu o ‘clique’, “foi amor ao primeiro processo de negociação”, refere. O que a juntou a esta área foi-se fortalecendo à medida que trazia resultados significativos à sua empresa. Há 10 anos surge o primeiro encontro com o Procurement, fruto da experiência até então acumulada, onde abraçou um projecto numa empresa multinacional. Dali em diante foi um crescendo: a evolução, os processos, as metodologias, as estratégias.

O que mais a apaixona? “o contacto diário com as pessoas, não haver rotinas ou trabalhos muito repetitivos, trabalhar numa área em que ‘one doesn’t fit all’ (porque cada cliente tem uma necessidade específica que tem de ser satisfeita), poder partilhar conhecimentos e integrar projectos de crescimento orgânico das empresas”.

Por sua vez, Marco Gil, Head of Procurement na Engie, confessa que foi mesmo “amor à primeira vista”, quando, há dezoito anos, foi convidado para desempenhar a função de gestor de produto num distribuidor de IT, momento em que teve o primeiro contacto com a área das compras.

Partilhando a mesma visão de Patrícia Roxo, Marco Gil conta-nos que o que mais o atrai no Procurement é o facto de existir pouca monotonia no trabalho diário, “o desafio de estar numa área de importância fundamental para todas as empresas, onde raramente os dias são iguais, o que torna o nosso trabalho sempre desafiante”.

2018 foi o ano em que Rita Pereira, Head of Procurement & Facilities Management na WhiteStar, deu de caras contigo. “Gostei dele desde o primeiro momento, mas, não tendo sido amor à primeira vista, disse-lhe logo que SIM”. Estava totalmente disposta a deixar a sua marca e a construir uma nova história na sua organização, mesmo nunca tendo pensado que, mais tarde, se tornaria a responsável de Procurement da empresa “agora, dois anos depois, não poderia estar mais enamorada e dedicada a uma função onde a comunicação, o sentido ético, a transparência, o conceito win-win caminham lado a lado e são os pilares fundamentais para o sucesso”.

Curiosamente, entre todos os profissionais que ouvimos, uma das tuas principais qualidades que os fazem apaixonar-se todos os dias é a renovação constante e o facto de estar sempre algo novo a acontecer. Rita Pereira refere exactamente isso, acrescentando que “não há fornecedores/parceiros iguais, conversas iguais… não há negociações iguais. E ainda bem!”. A Head of Procurement aponta ainda a oportunidade de poder lidar e relacionar-se com pessoas muito diferentes, desde colegas das áreas internas a potenciais parceiros nacionais e internacionais “há todo um construir de relação que a maioria das vezes não se mede e ninguém fala sobre ela, mas que, no meu ponto de vista, é fundamental nesta área”, refere.

Encontro casual que se tornou em relação duradoura. Foi este o cenário de Ana Almeida, Purchase Director na Ecco, que explica que apesar de ser licenciada em Engenharia e Gestão Industrial e ter feito estágio na área das operações, acabou por surgir a oportunidade de ficar na empresa, mas na área do Procurement. “Gostei tanto que nunca mais quis mudar”, confessa.

O contacto com as pessoas e o sentimento de “ver acontecer” é o que mais preenche esta profissional, mostrando a sua satisfação por poder fazer parte da mudança da organização e da equipa. Acrescenta que é uma área onde a mudança está sempre presente e é necessário desafiarem-se “constantemente para manter a chama acesa”.

É tudo isto que os apaixonados pelo Procurement sentem quando olham para a relação que mantêm com a profissão. Uma relação em que a sedução com ideias, palavras e actos é uma constante e faz com que diariamente valha a pena saírem da sua zona de conforto. E assim se ampliam sentimentos, emoções e horizontes, na vida pessoal e profissional.

Feliz Dia de São Valentim a todos os profissionais de procurement apaixonados pelo que fazem.

Share This

Partilhar este artigo