O Pai Natal percorre milhões de km em 24h enfrentando enormes desafios logísticos, mas felizmente a sua Supply Chain tem ajudantes altamente motivados e que controlam e prestam atenção aos detalhes.

A época do Natal coloca enorme pressão adicional na rede logística das Organizações do Retalho Alimentar e segmento Especializado, que esperam dispor de uma Cadeia de Abastecimento suficientemente ágil que possa dar resposta aos “picos” de procura do mercado, satisfazer as expectativas dos clientes e que as suas previsões sejam as mais acertadas para evitar uma devolução em massa de stock, no final do período festivo.

Na contagem decrescente para o Natal, todos os intervenientes de cada uma das Supply Chain, desde fabricantes, fornecedores, retalhistas e operadores logísticos, asseguram-se que têm o nível apropriado de stock e que anteciparam corretamente todos os desafios, pelo planeamento e investimentos realizados, de modo a suportarem o incremento drástico de volume de trabalho.

Mas estas reflexões aplicavam-se de igual forma há muitos anos, desde o aparecimento das redes logísticas centralizadas. Hoje, a realidade deste período de Natal, impõe novos e importantes desafios que se juntam a esta gestão tradicional do “pico” de vendas.

Em primeiro lugar, a dimensão temporal e o número de eventos comerciais da época natalícia de hoje, que começa com o Black Friday e segue até à véspera de Natal, levam as empresas a enfrentar “picos” de diferentes amplitudes e categorias distintas, ao longo do mês.

A acrescer a este desafio da multiplicidade de eventos, a estratégia da Omnicanalidade (integração de múltiplos canais tais como as lojas tradicionais, e a compra online, principalmente através de smartphone), faz com que a rede de distribuição hoje seja muito mais do que a cadeia de lojas físicas (brick-and-mortar).

Para termos ideia deste impacto da nossa Holiday Shopping Season, o aumento de vendas do Black Friday em Portugal em 2018 comparado com um dia comum foi de 792%, já superior ao de Espanha (706%) e as categorias de maior projeção foram o Vestuário, Calçado, Cosmética e Artigos Eletrónicos, o que coloca os maiores desafios no Retalho Especializado. Neste dia o consumidor português compra em média 3,2 produtos com um gasto de 216€ no total das compras online e lojas físicas, mas 14% fazem já compras exclusivamente no canal online e 45% em ambos os formatos (dados Black Friday Global). São dados que ilustram já o impacto deste evento comercial que marca o início da época.

A gestão da cadeia logística terá de planear as mais variadas situações nesta época, que sintetizo algumas:

• Nos Centros de Distribuição, planear as equipes produtivas e “staff” de controlo; nesta gestão, a motivação das mesmas para enfrentarem os desafios de volume de trabalho e o especial cuidado no detalhe das operações, será de vital importância.

• Enquadramento das várias categorias e stock nas operações inbound. Os armazéns terão de enquadrar diferentes situações na operação com particular impacto no layout do centro: categorias com dezenas de artigos, mas muitas centenas de paletes em stock com entrada e saída num curto espaço de tempo (exemplo brinquedos) e famílias de referências que estarão presentes durante todo o período e fazem parte da distribuição nesta altura (chocolates, vinhos, etc).

• Dispor de opções de back-up: a Logística, principalmente nesta altura, irá enfrentar as mais variadas situações inesperadas, que saiam do controlo da gestão e que sejam um impedimento ao desenrolar do abastecimento. O histórico destas situações e a forma como foram solucionadas, deve estar presente no planeamento da época.

• Planeamento com parceiros: tal como o próprio retalhista, os diferentes parceiros que englobam a operação (transportes logo à partida), têm também os seus recursos limitados, e solicitados por vários clientes, logo será vital um planeamento conjunto desta distribuição.

O tema da Logística no Natal, oferece contínuos e complexos desafios que deverão ser retratados em próximas oportunidades.

 

Manuel José Gomes | Consultoria Logística e distribuição

Poderá ler o artigo de opinião mais aprofundado na nossa revista #6
Share This

Partilhar este artigo