Na semana em que se assinalou o dia da igualdade salarial, a Adecco, empresa especializada em Recursos Humanos, divulgou as conclusões da sua mais recente análise sobre a evolução dos salários em Portugal no sector da indústria nacional, tendo por base as referências de valor homem-mulher/hora numa amostra de 10.000 entrevistas. O gap mantém-se entre Homens e Mulheres, com uma retribuição superior por hora nos ordenados masculinos, que na sua maioria ronda uma margem diferencial de entre 2% até 12%, embora em algumas profissões o oposto também suceda.

Na amostra analisada, nas funções de operários não especializados e operadores de cargas e descargas, é manifesta a diferença salarial média por hora de 12% mais nos homens em relação a mulheres. Estas funções são na realidade as que, neste sector, revelam a maior discrepância. Já em funções Operador Ajudante de Loja, Operador de Armazém e Montador o valor por hora pago a homens supera os 2% face a mulheres.

De acordo com a mesma análise, já na função de auxiliar de armazém, as mulheres que ocupam esta função são em média mais bem pagas em 5% do que os homens. Outras duas funções que assumem esta diferença salarial por hora em benefício das mulheres são as de assistente de loja e semiespecializado, embora nestas a diferença seja mínima representando valores na casa dos 1% e 1,5%.

De acordo com Carla Rebelo, CEO da Adecco em Portugal, “As diferenças salariais ainda são uma realidade no nosso mercado, embora tendencialmente acreditamos que estejam a ser de ano para ano mais esbatidas e mais reflexo da cultura empresarial atual e das próprias exigências de mercado e pressão da opinião pública.”

Share This

Partilhar este artigo