A Transitex revelou que, “além da contínua aposta na expansão geográfica”, 2019 é o ano para “apostar globalmente no transporte de carga aérea”. Em comunicado, o transitário salienta que o seu departamento de carga aérea está sediado em Portugal e com “equipas próprias e exclusivamente focadas neste serviço em Portugal, Espanha, Itália, Brasil, Peru e África do Sul”.

A empresa explica que este serviço “começou em 2018 a receber melhorias e a preparar-se para se tornar uma peça-chave no portefólio de serviços Transitex”. Embora o maior volume da empresa em termos globais seja “a carga refrigerada contentorizada, em Portugal o nosso maior volume aéreo são a carga projecto e maquinaria com destino à África Austral”, uma situação que se justifica “pela forte presença de empresas de construção civil portuguesas no continente, que se encontra numa fase de construção e desenvolvimento de infra-estruturas”.

Para Luís Vieira, que gere o departamento, “a aposta na carga aérea surge como um complemento à vasta oferta de serviços prestados pela Transitex aos seus clientes, facilitando a movimentação dos seus produtos com rapidez e eficiência”, frisando também que a aposta “numa oferta door to door de forma integrada com a nossa rede de armazéns e escritórios Transitex na Europa, África, América Latina e Ásia” – é um valor acrescentado para os clientes. pois permite-lhes terem “apenas e só um interlocutor em toda a sua cadeia de abastecimento, desde a importação de matérias-primas até à entrega dos seus produtos ao cliente/importador em qualquer parte do globo”.

Para que esta seja uma aposta ganha, o prestador de serviços logísticos tem investido nas qualificações das suas pessoas, sendo que, actualmente, “temos equipas reconhecidas com IATA DG Cat 6 Certificate em Portugal, Espanha, Itália, Brasil e Perú”, sendo objectivo de médio prazo obter aquela certificação num maior número de localizações.

Entretanto, apostada em crescer, a empresa abriu o seu primeiro escritório no Reino Unido durante o mês de Julho. Em Manchester, a nova filial já conta com uma equipa local, pronta para dar resposta às necessidades dos clientes da empresa que exportam para o país.

A entrada da Transitex no país prende-se em grande parte com os desafios que surgirão para os exportadores que já trabalhavam com o Reino Unido após a conclusão do Brexit. Esta nova localização criará também oportunidades para aproximação aos exportadores locais, sendo vantajosa a rede de escritórios que a Transitex tem dentro e fora da Europa, com especial destaque para a China, um dos principais parceiros de negócios do Reino Unido.

À frente do escritório britânico estão Adam Kirk, branch manager, e Samuel Nascimento, regional manager Transitex na Europa.

Share This

Partilhar este artigo