Terminou ontem o evento SAP Ariba Live, que teve início na passada terça-feira em Barcelona. O evento do ano na área das compras teve a duração de três dias, dedicados a diversos temas da área de negócios entre as empresas como as parcerias, inteligente spending, agilidade ou oportunidades.

Entre os tópicos, foram apresentados os resultados do “2019 CPO Survey”, um estudo que analisou a função de procurement nas empresas e que procurou conhecer o impacto da transformação digital nesta função.

“Nas últimas duas décadas o procurement passou de uma função clerical de escritório para uma função estratégica de negócio”, explica a empresa, introduzindo o estudo feito a 466 inquiridos.

Relativamente à transformação digital, 83,9% dos inquiridos considera-a importante para aumentar a performance do sector das compras e 65% já tem soluções baseadas em cloud, e embora o seu impacto já tivesse sido grande no ano passado, 82% consideram que em 2019 este será ainda maior.

Como principais objectivos para os projectos de digitalização, são apontados os processos de automatização, aumentar qualidade dos dados, atingir poupanças nos custos e melhorar a conformidade das empresas.

No entanto, mesmo considerando a sua importância e que mais de 80% dos participantes considerava serem investidores e não terem medo de arriscar, apenas 28% dos participantes considerou que a sua empresa estaria numa maturidade “melhor ou muito melhor que a sua concorrência”, e em termos de machine learning, impressão 3D ou analítica prescritiva a taxa ainda se encontra nos 15%.

De acordo com o resultado do estudo, as principais barreiras para o desenvolvimento são as restrições de orçamento, falta de análise de dados e de talento interno.

“Apesar das barreiras, os líderes de procurement compreendem a urgência e a importância da digitalização”, comenta Marcell Vollmer, Chief Digital Officer na SAP Ariba & SAP Fieldglass, acrescentando que “vai ser importante que eles continuem a procurar formas de trazer inteligência para a gestão de gastos, avaliar tecnologias novas e emergentes e adoptar inovações de forma a elevar o papel do procurement na condução de receitas e inovações, e não apenas na redução de custos”.

Share This

Partilhar este artigo