A subsidiária portuguesa da Ocean Network Express (ONE), resultado da fusão das K Line, MOL e NYK, apresentou os resultados do primeiro semestre no activo. Ao longo dos seis meses desde o dia 1 de Abril do ano passado, data em que foi oficialmente criada, a empresa transportou 30 mil TEUs, no valor de 18 milhões de euros, o que representa um crescimento de 30% face à operação da ex-K Line, a única das três que tinha investimento directo no nosso país, sendo que as outras eram apenas representadas por agentes.

No mercado português a ONE oferece cinco rotas: Ásia-Europa (que inclui o Médio Oriente e o Subcontinente Indiano), e onde tem obtido um crescimento considerável, INTRA-Europa (incluindo Escandinávia), Europa-América, Europa-Oceânia e, introduzida com a fusão, a rota Europa-África, porém, esta ainda não é significativa para os lucros da empresa.

Isabel Azeredo, country head da ONE Portugal, conta que embora tenham tido alguns problemas de adaptação ao início, conseguiram manter os clientes com eles e atrair novos, crescendo ainda em novos negócios: “apesar das dificuldades internacionalmente reconhecidas, decorrentes da introdução de novos sistemas de informação e adaptação aos mesmos, conseguimos em Portugal não só manter os clientes herdados da K Line, como crescer, sobretudo em novos negócios. Acreditamos que manteremos o mesmo ritmo de crescimento nos próximos três meses”.

A ONE procura agora a liderança no transporte refrigerado, tendo para tal investido na compra de 14.000 contentores com refrigeração, bem como a ascensão ao quarto lugar do ranking de companhias internacionais de contentores, assim que receba os navios que tem encomendados, totalizando uma frota de 240 embarcações e uma capacidade para 1,44 milhões de TEUs.

Share This

Partilhar este artigo