Não é novidade para ninguém que a internet tem ganho cada vez mais preponderância no comércio europeu, ainda que Portugal se encontre abaixo da média dos restantes países.

A tecnologia veio para ficar e tem alterado os hábitos e as rotinas das pessoas em geral, somos todos cada vez mais digitais e esse aspeto tem-se evidenciado, por exemplo, na forma como fazemos compras, pagamentos ou até chamamos um táxi. As pessoas estão mais dotadas, quer de conhecimentos, quer de aparelhos tecnologicamente favoráveis às compras online como computadores e, sobretudo, smartphones. Por este motivo, acredito que o mercado português é um mercado com potencial de crescimento.

Atualmente, há uma tendência cada vez maior para comprar online, não só por uma questão de comodidade que este serviço pode oferecer, mas também devido à oferta e aos preços competitivos que podem encontrar. Mas será isto suficiente? Um dos principais aspetos que acho fundamental passa, naturalmente, numa primeira fase por transparecer confiança ao cliente, não esquecendo todos os obstáculos que emergem, todavia, quanto à confiança numa compra online e, paralelamente, por todo o processo de logística envolvente.

A logística acompanha e é impulsionada, de alguma forma, pelo e-commerce a acaba por se tornar um dos seus processos-chave. Na minha opinião, o segredo do sucesso de todo o processo logístico baseia-se na proximidade com o consumidor, pelo que se deverá manter, sempre que possível, os pólos logísticos, isto é, os armazéns, o mais próximo possível dos clientes. Por outro lado, para que a logística possa funcionar da melhor forma, deverá ser acompanhada por sistemas informáticos avançados imprescindíveis a todo o processo, nomeadamente, falo de “conjuntos de algoritmos” que permitam calcular as previsões de stock, rotas de transporte e gestão do mesmo. Nas empresas, o stock deverá ser o suficiente para dar resposta às necessidades de consumo, e nunca em excesso.

Devemos trabalhar para oferecer a melhor experiência comercial online ao cliente, tendo em conta todos estes processos para garantir que este fica satisfeito e continua a apostar na compra online.

José Veiga | CEO | Insania

Share This

Partilhar este artigo